05/02/2018 - Regional de Marabá

Emater promove intercâmbio para agricultores de São Geraldo conhecerem hidroponia orgânica de Nova Ipixuna

 

Sob a coordenação da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater), uma comitiva de 25 pessoas de São Geraldo do Araguaia, no sudeste do estado, visitou, no último dia 24 de janeiro, uma propriedade especializada em hidroponia orgânica em Nova Ipixuna, município vizinho. O intercâmbio técnico reuniu o prefeito de São Geraldo, Edilson Carvalho, autoridades diversas e agricultores interessados em conhecer e replicar a tecnologia.

A propriedade que sedia o projeto-piloto da Emater pertence ao agricultor Gilmar Santos. Desde o fim de 2016, com a orientação do escritório local,, o agricultor, que já plantava hortaliças mas sob o sistema convencional, passou a cultivar alface, coentro, couve e rúcula, entre outros, em  dois canteiros principais e alguns adjacentes, sem o uso de agrotóxicos e com reaproveitamento contínuo de água.

 “Conseguimos produzir um alimento de qualidade e com bastante aceitação no mercado local”, comemora Santos, que colhe cerca de 100 pés de hortaliças orgânicas por dia e vende em feiras, supermercados e para a merenda escolar, com um lucro até 30% maior do que tinha quando plantava no sistema convencional. Atualmente a atividade lhe é o carro-chefe do sustento da família, que trabalha também com plantas ornamentais e fruticultura (acerola, goiaba e muruci).  

 

                “O nosso primeiro objetivo foi permitir que, com a tecnologia da hidroponia e a partir do escalonamento da produção, houvesse colheita o ano inteiro, sem dependência das intempéries do clima. A questão da agricultura orgânica também qualifica os produtos e valoriza socioambientalmente a propriedade. Os resultados, assim, foram um bom retorno ao investimento e segurança alimentar”, resume o chefe interino do escritório local da Emater em Nova Ipixuna, o técnico em agropecuária Claudean Marinho.

               

                “Hidroponia é sem dúvidas uma excelente alternativa para a produção de alimento na região sudeste paraense, que é dominada pela bovinocultura e que, por causa disso, acaba tendo que importar de outras regiões alimentos que por enquanto ou não são cultivados aqui ou não são cultivados em quantidade suficiente. Expandir e difundir tecnologia para outros agricultores, ainda mais de outros municípios, é incentivo ao desenvolvimento sustentável”, complementa o técnico em agropecuária da Emater Deusdete Oliveira.