13/03/2018 - Congresso da Mandioca

Diretor da Emater ministrou minicurso na programação científica do Congresso da Mandioca

Na programação científica do XVII Congresso Brasileiro de Mandioca e II Congresso Latino Americano e Caribenho da Mandioca, que a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater-Pará), os quais a Empresa dá apoio na realização, foi ministrado na manhã de ontem (12), na sala MC-4 do Hangar, o minicurso sobre a cadeia produtiva da mandioca com foco no processamento, ministrado pelo diretor técnico da Emater, Rosival Possidônio, com presença de centenas de técnicos e produtores.

Possidônio mencionou importantes aspectos do processamento do produto, e lembrou aos presentes que o padrão oficial para a farinha de mandioca é regulamentado, para fins de comercialização no mercado, através de portaria, que dá as características para identificação, qualificação, apresentação, embalagem, armazenamento e transporte do produto, pelo Ministério da Agricultura e Abastecimento (Mapa).

Ao falar das boas práticas de fabricação enumerou resultados no processo de qualificação dos produtos que permitem segurança alimentar, diminuem incidência de reclamações entre os consumidores, garantem mais competitividade no mercado, entre outros benefícios. Disse que um programa de boas práticas deve considerar as instalações físicas, potabilidade da água (condição obrigatória para todas as finalidades dos tratos com a mandioca), além de limpeza e salinização, pragas, entre outros aspectos.

Explicou aos participantes que as farinhas são classificadas por tecnologias de fabricação, em grupos (farinha d’água, farinha seca e farinha de mandioca bijusada); se classificam por coloração, em classes de farinha (branca, amarela e de outras cores), e por qualidade, as farinhas se classificam em tipos (farinhas tipos 1, 2, e 3).

Dentre centenas de participantes estavam presentes os produtores de Brasil Novo, Agemiro Araújo e Nildo Cadete de Vitória do Xingu. A dupla estava acompanhada de perto pelos extensionista rurais da Emater, Waldir dos Santos, médico-veterinário do Regional Altamira e Luciano Nogueira, chefe do escritório local da Emater em Vitória do Xingu.

Agemiro Araújo é produtor de farinha em Brasil Novo, e junto com sua esposa, vende a maior parte da sua produção, direto ao consumidor, em Altamira, na feira da cidade. “Vim aqui em busca de mais conhecimento para melhorar nossa produção familiar, principalmente na produção de fécula”.

Luciano Nogueira, que é engenheiro florestal, destacou a importância do evento: “um evento desta magnitude permite, entre outras oportunidades, a possibilidade de trocas de informações das experiências que ocorrem em outros lugares”. Para ele, “esse fator é essencial para a promoção do nivelamento do conhecimento”.

Texto e fotos: Edna Moura