02/01/2019 - 2019

Presidente da Emater pela segunda vez, Cleide Amorim defende “equilíbrio e transparência”

Primeira e única mulher a presidir a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater), de 2011 a 2014, a engenheira agrônoma Cleide Amorim acaba de voltar ao cargo.

Na manhã desta quarta-feira (2), ela se reapresentou informalmente aos funcionários do escritório central, em Marituba, na região metropolitana de Belém. “É uma honra poder participar de novo da história da Emater, retomando a perspectiva do desenvolvimento sustentável. As palavras de ordem agora são transparência e equilíbrio. Primeiro faremos uma levantamento sobre a situação, uma análise, e só a partir daí poderemos traçar metas reais e encaminhamentos”, disse.

 Ela assume a responsabilidade sobre um dos órgãos de maior capilaridade, considerado braço operacional do governo estadual, com escritório físico em todos os 144 municípios, laboratórios de solo e centros de treinamento. São mais de mil extensionistas, das mais diversas especialidades, atendendo diretamente mais de cem mil famílias. A posse oficial deve se realizar nos próximos dias.

Cleide Amorim é funcionária concursada do governo do estado do Pará há 40 anos, tendo começado a carreira na Secretaria de Estado de Educação (Seduc). Desde 1983, atuava na antiga Secretaria de Estado de Agricultura (Sagri), hoje Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropécuário e da Pesca (Sedap),  onde se destacou como coordenadora de todas as edições da Semana da Fruticultura, Floricultura e Agroindústria (Frutal Amazônia/ Flor Pará), até então. Também teve passagens pela Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará), pelas Centrais de Abastecimento do Pará (Ceasa) e pela Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam).  Foi delegada federal de desenvolvimento agrário no Pará e, mais recentemente, coordenava o Programa Nacional de Crédito Fundiário, pela Sedap.  

 Formada pela Ufra, tem duas especializações: em agronegócio, pela Conselheira de Comércio Exterior Brasileiro, e em heveicultura (cultivo de seringueiras), pela Ufra.  Em 2011, recebeu a comenda “Engenheiro Agrônomo do Ano pela Associação dos Engenheiros Agrônomos do Estado do Pará (Aeapa).