09/01/2019 - Crédito Rural

                Parceria entre Emater e Banco do Brasil se renova para melhorar crédito rural

Na manhã desta quarta-feira (9) o diretor técnico da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), Rosival Possidônio, se reuniu com o superintendente estadual Pará-Amapá do Banco do Brasil (BB), Gustavo Henriques da Rosa, e com o gerente de desenvolvimento regional sustentável, Klener Caldeira, para tratar da renovação do termo de cooperação técnica entre as duas instituições, de modo a se qualificar e se quantificar o agricultor familiar no acesso a crédito rural.

Participaram também a equipe do Núcleo de Supervisão Estadual da Emater (NSE) II, o gerente geral da agência do BB em Irituia, nordeste do estado, Felipe Linhares; e o chefe do escritório local da Emater em Irituia, Widson Silva.

 

O foco são ajustes operacionais, a partir do aperfeiçoamento tecnológico das ferramentas, e mais desburocratização do processo, com a Emater alimentando o sistema de alguns dados diretamente e podendo iniciar o processo de contratação.

O termo de cooperação técnica atualizado será assinado no mais tardar em fevereiro, com vigência de dois anos, renováveis por mais dois. Com as alterações, a efetivação de crédito rural pela parceria entre Emater e Banco do Brasil deve aumentar em torno de 30% já em 2019, conforme estimativa do NSE II.

Para o diretor técnico da Emater, Rosival Possidônio, a possibilidade de a Emater atuar com mais interatividade no curso de aprovação dos projetos elaborados é um avanço considerável, aliada a medidas internas, como a lotação de um “gerente de crédito” em cada um dos 12 escritórios regionais da Emater.

O superintendente do BB, Gustavo Henrique Rosas, reforça:  “O objetivo do Banco e da Emater é o produtor se desenvolver com sustentabilidade, as propriedades serem rentáveis, o que repercute no desenvolvimento socioeconômico de toda a comunidade e, por conseguinte, de todo o Pará. Para tanto, consideramos a valorização dos produtos regionais e as vocações de cada município. O Banco do Brasil está aberto a financiar quaisquer culturas tradicionais ou que surjam como interesse viável dos agricultores”.

 De acordo com o gerente de desenvolvimento regional do BB, Klener Caldeira, “Os principais desafios do crédito rural para a agricultura familiar no Pará ainda são licenciamento ambiental, regularização fundiária e infra-estrutura. O estreitamento da relação entre o Banco e a Emater, a tecnologia, a capacitação contínua dos extensionistas quanto às ferramentas e ao sistema, a capacitação contínua dos produtores na gestão da propriedade...são todas práticas e metas que permitem ao Pará, um estado de potencial impressionante, avançar cada vez mais no investimento do setor produtivo”, diz.