03/04/2012 - Regional Conceição do Araguaia

Mercado pesqueiro de Conceição será abastecido para a Semana Santa

Momento da despeca do Pirarucu na propriedade de Queiroz Junior atendido pela Emater

A população do município de Conceição do Araguaia terá a chance de consumir um peixe de qualidade e com preço justo nesta Semana Santa. Nos dias 04 e 05 de abril acontece a Feira do Peixe Vivo, que contará com a venda em três diferentes pontos na cidade. Estará disponível mais de 20 toneladas de pescado, com preços que variam de R$ 7 a R$ 15 o quilo. A ação é uma atividade interinstitucional entre a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater), Secretaria Estadual de Pesca e Aquicultura (Sepaq) e parceiros.

As espécies mais consumidas pelo público conceicionense como o Tambaqui, Tambacu, Pacu-Caranha e Piau-açu, que normalmente são vendidas ao preço médio de R$ 10 reais o quilo podem ser encontrada nos pontos de venda com redução de 20%. O pescado a ser comercializado é oriundo basicamente de cativeiro, mas pescadores artesanais também apresentarão a produção.

Os três pólos de comercialização são: em frente ao ginásio poliesportivo da Universidade Estadual do Pará; o mercado de peixe da colônia Z-39; e na feira municipal. Segundo o técnico em aquicultura Jurandir Trindade Silva, coordenador pela Emater das funções de apoio e divulgação, a descentralização foi a forma encontrada para otimizar a escoação da produção, além de facilitar a aquisição do pescado pelo consumidor final.

“A Emater tem experiência nesta feira do peixe vivo, pois já a realizou no ano passado, mas esta é a primeira vez com a parceria da Sepaq. Na feira será montada uma logística de resfriamento imediato para assegurar um peixe com qualidade”, disse o técnico da Emater.

Segundo o presidente da Associação de Aquicultores de Conceição do Araguaia (Aquicom), Eliezer Queiroz Junior, atendido pela Emater, a produção de pescado no município é intensa e nesta época do ano em que a procura é maior é o momento propício para aquecer o mercado pesqueiro na região. “A previsão para este ano é que a produção de pescado – tanto do pirarucu quando de espécies ‘redondas’ – possa chegar a 500 toneladas”, ressaltou.

O projeto de criação de pirarucu em cativeiro, que acontece no município desde 2009, foi desenvolvido pela Emater junto a alguns produtores da Aquicom. Nos últimos seis meses foram despescados 21 toneladas de pirarucu e vendida para outros estados.

Texto e fotos: Kenny Teixeira