03/07 - Regional das Ilhas

 

Emater capacita floricultores da região metropolitana para arranjos florais

Trinta agricultores familiares da região metropolitana de Belém participam, nestas terça (3) e quarta-feira (4), de uma oficina de arranjos florais ministrada pelo escritório regional das Ilhas da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater) e localizada no escritório central do órgão, em Marituba. Todos já são floricultores estabelecidos, com atendimento regular da Emater em suas propriedades. Cada treinado será estimulado a atuar como multiplicador em sua comunidade.

“A idéia é permitir uma mão-de-obra diferenciada sobre o cultivo de flores, agregando valor à produção. A maioria hoje só vende as flores unitariamente. Com os arranjos, o lucro aumenta em mais de 100%. Esse aprendizado também sensibiliza pro trabalho artístico e desperta talentos artesanais”, resume uma das técnicas da Emater responsáveis pela Oficina, a geóloga Poliana Gualberto.

A oficina é a terceira e última etapa de uma capacitação iniciada em dezembro do ano passado – que, no geral, envolveu aulas de artesãos de outros estados, com renome nacional; entrega de kits de ferramentas para os alunos e participação desses na I Feira da Agricultura Familiar da Amazônia Legal (Agrifal), que a Emater promoveu no fim de março, em Belém.

“Mais recentemente, a floricultura começou a se evidenciar como uma atividade vantajosa para a agricultura familiar do Pará – primeiro pelo potencial de mercado, que vem se expandindo depressa, acompanhando a expansão da própria região metropolitana e os eventos que advêm; segundo pela facilidade do sistema produtivo, que não exige dedicação exclusiva. Os arranjos, por exemplo, não demandam força, apenas técnica, delicadeza e criatividade”, explica a engenheira agrônoma da Emater Soraya Maria Araújo.

Na oficina, os alunos manipulam espécies tropicais, a partir de ferramentas como canivete, arames, pistola de cola e alicate. Também são orientados a perceber as possibilidades de aproveitamento de resíduos de práticas típicas nas propriedades rurais, como madeira, cascas de frutas, sementes e folhagem.

“Ter acesso a novidades que melhorem a comercialização das nossas flores é um incentivo e tanto”, diz o floricultor Gabriel Silva,de 60 anos, da comunidade Aracy, no município de Santa Bárbara.  Atendido pela Emater há quase 20 anos, ele produz cerca de mil e 500 flores por mês, em 25 hectares plantados com espécies como bastão-rosa e bihai.

Para a floricultora Erlen Cristina Monteiro, de 23 anos, do distrito de Benfica, em Benevides, atendida pela Emater há meia década, o plantio consorciado de flores tropicais com cupuaçu, açaí e pupunha – em cinco hectares - tem gerado “lucro suficiente” e inspirado o empreendedorismo:

“Somos só eu e meu marido na atividade. Sou dona-de-casa e mãe de gêmeas de nove meses e de mais uma menina de três anos. A floricultura me permite uma vida profissional que respeita minha vida pessoal. Mas quero ir mais longe: fazer faculdade de agronomia e ainda este ano montar uma loja virtual”, planeja ela.

Monteiro já faz arranjos florais “por autodidatismo”. “Aqui estou aprendendo a sofisticar e a diversificar o resultado”, aponta.

Quer Comprar?

Quem tiver interesse no consumo dos resultados dessa Oficina da Emater pode conhecer as propriedades rurais e comprar as flores e arranjos diretamente de Gabriel Silva e Erlen Cristina Monteiro, entrando em contato pelos telefones 8807-3628 (Silva) e 8163-2550/8203-9045 (Monteiro).

Informações sobre outros produtores da região metropolitana de Belém podem ser obtidas com o escritório regional das Ilhas da Emater, pelo telefone (91) 3256-3296, de 8h às 12h e de 14h às 17h.

 

 Texto: Aline Miranda

 Foto: Lorena Alcântara