05/10/2011 - -

Projeto visa melhoria na qualidade de vida marajoara

     “O PAIS é a prova que é possível produzir na Amazônia sem desmatar. E ainda oferecer desenvolvimento sustentável para agricultores familiares, de forma independente, garantindo a subsistência e a comercialização do excedente”, assim definiu o idealizador do projeto Produção Agroecológica Integrada e Sustentável (PAIS), o engenheiro agrônomo, o senegalês Aly Ndiaye. Prática amplamente difundida no Brasil, já foram implementadas mais de 10 mil unidades do “quintal agroecológico”, que até o final do ano será implantado mais 140, na ilha do Marajó, pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater).

     Por meio de um convênio firmado entre o Ministério de Desenvolvimento Social e a Emater, o PAIS está sendo implantado no arquipélago do Marajó até o final do ano, garantindo a promoção social e econômica da região – que apresenta o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) mais baixo do Pará. Através da Emater serão entregues 141 kits para a construção do espaço físico do projeto, “a partir daí o agricultor não terá mais nenhum gasto, já que a proposta do projeto é a auto-sustentabilidade”, disse Aly.

      Ao todo serão beneficiadas 140 famílias agricultoras de sete municípios marajoaras – Soure, Salvaterra, Cachoeira do Ararí, Santa Cruz do Ararí, Ponta de Pedras e Muaná - pertencentes à área de abrangência do Consórcio de Segurança Alimentar e Desenvolvimento da região do Arari, o CONSAD – Ararí, promovendo o desenvolvimento sustentável de comunidades pertencentes à ilha do Marajó, visando a melhoria da alimentação e nutrição populacional.

     Desde a última segunda-feira, os chefes dos escritórios locais da Emater, dos sete municípios, estão participando de um curso para aprender a construir a primeira unidade de PAIS da empresa, localizada na Unidade Didática Agroecológica do Nordeste Paraense (UDB), em Bragança, ministrado por Aly Ndiaye, com o apoio do Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) . Segundo o agrônomo, na verdade, esta semana será de trocas de experiências, já que é o momento de adequar o projeto a realidade local, com os elementos utilizados pelos agricultores familiares paraenses. 

      Segundo o engenheiro agrônomo, Guilherme Saldanha, supervisor adjunto do Regional da ilhas da Emater, - que compreende as localidades trabalhadas no CONSAD-Ararí, como próximo passo os técnicos já capacitados servirão de multiplicadores para as comunidades. “Os 20 PAIS que serão montados, uma unidade em cada um das sete localidades, serão construídos em forma de mutirão. Assim, finalizaremos em breve as 140 famílias beneficiadas, conforme previsto no convênio com o MDS”, afirmou

Assessoria de Comunicação - Kenny Teixeira - 06/10/011