05/09/2012 - Escritório Central

Emater encabeça força-tarefa para reduzir a inadimplência rural no Pará

   Até o final de setembro está previsto começar uma série de doze reuniões em diversos territórios do estado do Pará para levar informações sobre as modificações no Plano Safra da Agricultura Familiar 2012/2013 e sobre as renegociações de dívida do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). Estes foram os principais encaminhamentos de uma reunião, ocorrida na Secretaria de Estado de Agricultura (Sagri), nessa quarta-feira (05), da Câmara Técnica do Crédito Rural, coordenada pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater), parte do Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural Sustentável (Cedrs).

   O problema das dívidas dos produtores rurais, assentados e não assentados, do estado foi o que mais motivou esta reunião para ajustar – com vários parceiros -, o que pode ser feito no intuito de diminuir a inadimplência rural. Participaram os dois principais agentes financeiros liberadores de crédito, Banco do Brasil e Banco da Amazônia, representante do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), da Sagri, Federação dos Pescadores do Pará (Fepa) e Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado (Fetagri) e da Emater.

   Paulo Lobato, coordenador técnico da Emater e responsável pelo Crédito Rural dentro da Empresa, o termo de adesão para a renegociação da dívida – que deveria ter encerrado no final de agosto foi prorrogado para o final de setembro. “É preciso organizar uma força tarefa com todos os atores envolvidos para a mobilização e sensibilização do produtor rural em aderir à renegociação. Assinando até o prazo limite sai o produtor da inadimplência, sai o município e sai o Estado também”, destacou.

   Segundo dados repassados pelo Banco da Amazônia, por exemplo, apenas 2,82% dos produtores rurais com saldo devedor de todo o crédito rural contratado neste agente financeiro aderiram à renegociação no primeiro prazo estabelecido. “Em um total de 45.080, apenas 4679 pequenos agricultores buscaram o Banco e de adesões implantadas são somente 1272 casos. Precisamos nos unir para aumentarmos esses números”, revelou Joedna Guterres, representante do Banco da Amazônia.

   Na força tarefa, os membros da Câmera Técnica de Crédito Rural se dividiram nos doze pólos – que foram estabelecidos nessa reunião – para atingir a um maior número de técnicos e atores envolvidos. Acontecerão reuniões similares em Belém, Abaetetuba, Breves, Capanema, Castanhal São Miguel do Guamá, Altamira, Santarém, Itaituba, Tucuruí, Marabá e Conceição do Araguaia – que tem uma das situações mais críticas de inadimplência.

   “Na oportunidade das reuniões nos territórios também será falado sobre as modificações no Plano Safra lançado a pouco no Pará, que para o Pronaf prevê a liberação de mais de meio bilhão de reais em prol da agricultura familiar do estado, também por isso precisamos reduzir a inadimplência para que esses produtores rurais possam ter mais acessos as linhas de crédito disponíveis”, ressaltou o coordenador da Câmara, Paulo Lobato.

Texto e Foto: Kenny Teixeira