06/02/2013 - Regional Capanema

 

Emater orienta agricultores da Região do Caeté para a diversificação da produção

 

O engenheiro agronomo, Claudio Pereira, conversa com os produtores do município de Capanema

 

 

Um balanço divulgado pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado Pará (Emater), por meio do regional de Capanema, no final de janeiro, para os municípios da Região do Rio Caeté, atestou que só no ano de 2012, foram elaborados mais de mil e quinhentos projetos para pequenos produtores, sendo contratados mais de mil, uma injeção de mais de R$ 5 milhões e 500 mil, para o fortalecimento da agricultura familiar na região. Deste montante, foram elaborados cerca de 800 projetos, uma soma superior a R$ 2 milhões, apenas em microcrédito.

O município de Viseu, dentre os 16 trabalhados pela Empresa nesta região, é o que lidera o ranking dos que mais tiveram projetos liberados no Programa Nacional do Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), na linha B, um total 739, que gerou um montante superior a R$ 1milhão e 400 mil, sendo seguido por Traquateua, que contratou R$230 mil, com 92 projetos.

Em atividades agropecuárias específicas, como na apicultura, na região, foram implantadas mais de duas mil caixas de abelhas para a produção de mel, uma liberação de mais de R$ 760 mil, em 54 projetos contratados. Só no município de Capanema, foram postas mais de 1900 caixas, em 48 projetos, um montante de R$ 670 mil aplicados no campo. “A produção está em 20 quilos de mel por caixa, o que resultará mais de 38 toneladas do produto e será escoado prioritariamente para o PNAE e PAA [Programa Nacional de Alimentação Escolar e Programa de Aquisição do Alimento]”, disse o supervisor adjunto da Emater no Regional de Capanema, Claudio Augusto Pereira.

Já na mandiocultura, ainda considerado o carro chefe da produção paraense, pelo menos no nordeste do estado, os municípios de Ourém, ainda segundo Pereira, esteve entre um dos mais bem colocados nos números do montante liberado para custeio das atividades agrícolas. Foram elaborados mais de 100 projetos, com valor total superior a R$ 1 milhão. “Ao somarmos os números de Augusto Correa, Bonito, Capanema, Nova Timboteua, Ourém, Peixe-Boi, Salinópolis, Santa Luzia do Pará, Tracuateua e Viseu foram contratados R$ 1 milhão 646 mil, em mais de 720 hectares plantados da raiz”, destacou.

Foi no município de Ourém, também, que os produtores garantiram um excelente desempenho da bovinocultura, com área propícia para a produção de gado de corte e de leite, com projetos internalizados junto ao agente financeiro para 26 famílias, sendo liberados onze deles, um valor superior a R$ 330 mil, para aquisição de mais de 192 cabeças de gado.

“Nossa região é rica no desempenho agrícola, graças à diversificação produção da agricultura familiar. Sem abandonar a mandiocultura, os produtores atendidos pela Emater têm acesso a informações que garantam uma produtividade maior em diversas atividades, seja ela, a bovinocultura, apicultura ou piscicultura. Ainda damos uma atenção especial para que o campo se mantenha alinhado às culturas que promovam a segurança alimentar das famílias rurais da região do Caeté”, destacou.

Mas, ainda segundo o supervisor adjunto, o que impediu que os números do ano passado fossem ainda melhores, foi o número de municípios inadimplentes no pagamento de crédito rural adquido pelo agricultor familiar anteriormente. Cláudio Pereira explica que esse fator, tira a possibilidade de outros agricultores terem acesso ao crédito já que oi município de torna também inadimplente. “Ai, neste contexto, perde todo mundo. Municípios como São João de Pirabas, Quatipuru e Primavera, por exemplo, estão comprometidos”, lamentou.

 

Texto: Kenny Teixeira

Foto: Esreg. Capanema