Quitanda no Parque

Participantes do Quitanda no Parque trocam experiências em encontro na Emater

Foi realizada na manhã de hoje (4), na Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater-Pará), em Marituba, um encontro que reuniu produtores rurais de produtos orgânicos e agroecológicos de empreendimentos participantes do projeto de incentivo à agricultura familiar ‘Quitanda no Parque’, para trocar experiências, avaliar e encaminhar algumas resoluções sobre a permanência do projeto para o próximo ano.

Em 2017 o projeto mobilizou dezenas de produtores rurais de frutas, hortaliças, tubérculos, folhagens, frutos, plantas medicinais e ornamentais, temperos, mel, tucupi, tapioca, farinha, produtos artesanais, dentre outros produtos, que venderam seus produtos por meio de uma parceria com o Parque Shopping Belém, numa feira de alimentos que funcionou inicialmente às quintas-feiras, de 17 às 21 horas, no primeiro piso do Shopping, e depois se adaptou a algumas alterações na sua apresentação.

Inicialmente o engenheiro florestal José Sinval Vilhena Paiva, representante da Emater no Projeto, abriu o encontro falando da oportunidade, “que reafirma a parceria da Emater, promove a integração e o planejamento, para garantir a continuidade do projeto, que inclusive, já recebeu manifestação de outros shoppings da cidade, que estão querendo a presença dos produtores rurais em seus espaços”.

Na programação do encontro o técnico Raimundo Nonato Ribeiro abordou sobre produção agroecológica e orgânica, e a técnica Onilse Ribeiro, conversou com os produtores sobre a participação deles no Seminário Regional de Agroecologia e Produção Orgânica da Região Norte. Os dois técnicos representam a Empresa na comissão organizadora do referido Seminário que será realizado na Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), no período de 12 a 14 de dezembro.

Ribeiro apresentou os princípios e as bases da produção agroecológica, como as condições de conservação das condições físicas, químicas e biológicas do solo, da água e do ar no processo de produção de produtos saudáveis, e de alto valor nutricional; relacionou os processos de certificação da produção orgânica, procedimentos pelos quais os empreendimentos e produtos são submetidos para garantir sua identidade; e falou das necessidades de aprimoramento da relação técnicos/produtores, incluindo o processo de elaboração dos planos de produção orgânica da propriedade, onde “o ideal é que haja um plano para cada cultura”.

No final ele informou que a Emater está com um projeto de criação de 20 feiras orgânicas tramitando no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que visa capacitar 60 técnicos e 300 agricultores familiares orgânicos no estado.

Texto e Fotos: Edna Moura

Texto: . - 05/12/2017