Regional de Marabá

Atendimento da Emater transforma produção em comunidade recém-titulada de Abel Figueiredo

Dezenove famílias da comunidade Caracol, a 20 km da sede de Abel Figueiredo, no sudeste do estado, pela primeira vez estão  recebendo atendimento agrícola especializado , a partir do escritório local da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater). Os agricultores conquistaram o título das terras este ano, depois de pelo menos meia década de conflito agrário.

Até o final do mês, pouco mais de R$ 150 mil de crédito rural da linha Mais Alimentos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultora Familiar (Pronaf) devem ser liberados pelo Banco da Amazônia por meio de projetos elaborados pela Emater em apoio às atividades de mandioca, arroz hortaliças e criação de pequenos animais. Mais R$ 800 mil podem ser liberados ao longo de 2019.

“A ater pública fortalece a auto-estima dessas famílias, que por muito tempo se viam como alijadas do processo de cidadania, não se identificavam pela sociedade como “agricultores”, como contribuintes socieconômicas do sistema. A Emater faz parte desse resgate de dignidade. É um reconhecimento da importância, do direito e da plenitude do agricultor familiar”, diz o chefe do escritório local da Emater no município,  o técnico em agropecuária Claudenízio Mota.

Com a Emater, os agricultores estão passando de um nível de subsistência para a profissionalização tecnológica e a comercialização consolidada. Além do acompanhamento direto das atividades nas propriedades, o acesso a políticas públicas, como crédito rural e cadastro ambiental rural (car), tem transformado o cotidiano e as cadeias produtivas.

 “A Emater veio para nós como uma grande força, uma instrução, mostrando o caminho. Nós somos agricultores de nascença, temos a raiz, mas precisamos trocar conhecimento, precisamos de máquina, de informação, de capital. A Emater vem não só como o governo, o caminho, mas reforçando a idéia de que temos capacidade de chegar aonde queremos, que a batalha pode ser vencida”, comemora o agricultor Claiton Nascimento, 33, presidente da futura Associação de Agricultores, que deve ser oficializada no próximo primeiro semestre.

Nascimento vive na comunidade com a companheira, um enteado de 11 anos e  uma filha de 9. A família trabalha com pecuária leiteira, galinha caipira e suinocultura.

Texto: Aline Miranda - 04/12/2018