Pirabas

Dia de Campo fomenta a criação do pirarucu em cativeiro e o cultivo de essências florestais

Piscicultores, empresários, fazendeiros, técnicos e lideranças de 17 municípios do nordeste do estado, se reúnem nesta sexta feira (10),  em São João de Pirabas, para o  Dia de Campo sobre cultivo do Nim e criação de pirarucu em cativeiro. O evento promovido pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará ( Emater), acontece na  Fazenda Neem de propriedade de  Sérgio Lidemamm. A propriedade consorcia a produção de pescado, essências florestais, alem de industrializar a produção agropecuária, grande parte comprada de produtores familiares da região.

Para o  município de São João de Pirabas que tem sua realidade econômica baseada na pesca realizada ainda em sua grande parte de forma predatória e artesanal, o Dia de Campo objetiva demonstrar a viabilidade do cultivo do Nim, planta de origem asiática, que pode ser usada no controle de pragas e doenças nos animais, plantas e no homem, o trabalho do pirarucu em cativeiro e a verticalização da produção.

De acordo com Jairo Eiras, engenheiro agrônomo e supervisor regional da Emater, a realidade brasileira demonstra que 40% de todo o pescado é desperdiçado, cabeça, vísceras, rabo e espinhaço são descartados, apesar de 100% do pescado ter valor comercial.  No caso do pirarurcu, o descarte dos subprodutos ainda é mais grave, devido a escama e a pele terem grande valor no comércio nacional e internacional. “O  pirarucu chega a ter 1400 escamas,  cuja unidade pode valer de 3 a 5 reais. A pele do peixe de altíssima qualidade, é muito usada para a produção de botas de grife, o par chega a custar até 15 mil reais”.  Diz Jairo Eiras.

A proposta da Emater é acompanhar e apoiar o trabalho realizado na Fazenda Neem, formar uma cooperativa de piscicultores, estimular o criatório do pirarucu e desenvolver a produção agrícola com o uso de produtos naturais.

Texto: Iolanda Lopes - 08/02/2012